A Perturbação de pânico caracteriza-se principalmente pela presença inesperada e recorrente de ataques de pânico, sendo estes um fenómeno físico causado por níveis extremos de ansiedade. Os ataques parecem acontecer “do nada”, ou seja, de forma espontânea e sem motivo aparente. A preocupação persistente de que o ataque se volte a repetir facilita o seu reaparecimento.

Na base desta perturbação persiste o medo de que aconteça algo catastrófico como o medo de morrer ou ficar louco, o medo de perder o controlo, de ter uma doença grave, de ter um ataque cardíaco, de desmaiar, de ficar sufocado, sendo que muitos destes medos são sentidos em simultâneo. Frequentemente estes medos estão associados a sensações corporais como falta de ar, tonturas, batimentos cardíacos rápidos ou intensos, tremores, suores, desfalecimento, sensações de calor ou frio, dor ou desconforto no tórax e náuseas ou desconforto abdominal

.O ataque de pânico pode ocorrer noutras perturbações, como agorafobia, fobia específica, ansiedade social, perturbação de stress pós-traumático e outras, contudo nestes contextos surge associado a uma pista ou a um desencadeante óbvio.

Aspetos mais frequentes visados pela intervenção psicológica:

  • Informar e educar sobre o início, desenvolvimento e manutenção da perturbação; assim como acerca da natureza da ansiedade e do pânico
  • Explicitar a importância da hipervigilância das sensações corporais na manutenção das dificuldades
  • Identificar significados associados às sensações corporais e modificar as interpretações catastróficas acerca das mesmas, desenvolvendo uma visão alternativa
  • Adquirir formas mais adequadas e funcionais de interpretar os sintomas
  • Explorar pensamentos e imagens ocorridas durante as crises
  • Explicar a forma como a hiperventilação pode induzir crises de pânico
  • Ensinar técnicas de respiração que facilitem a aquisição de um ritmo respiratório mais funcional
  • Desenvolver estratégias de coping
  • Aprender técnicas de relaxamento, no sentido de auto regular a ansiedade
  • Adquirir técnicas de mindfulness e aceitação
  • Trabalhar com técnicas de exposição a sensações físicas, tendo em vista a redução do medo e ansiedade