A hipnose não é uma terapia em si, mas é uma ótima ferramenta para ajudar a tornar a parte da mente frequentemente designada de inconsciente mais observável e a aflorar os recursos terapêuticos internos de cada um.

A hipnose é portanto, um estado modificado de consciência que permite direcionar com intensidade a atenção e concentração de uma pessoa, para um ou outro assunto. 

Todos nós passamos por estados hipnóticos (Estado Alfa  ou Estado Theta) durante as vinte e quatro horas, quando nos alheamos de tudo a nossa volta (e.g. estamos a ler um livro, a ver um filme ou envolvidos intensamente nos nossos pensamentos). Estes estados modificados de consciência* acontecem de uma forma aleatória, podendo também ser programados e induzidos**  num determinado momento pelo próprio (auto-hipnose), ou com a ajuda de um hipnólogo/ hipnoterapeuta.

Caracterização os estados hipnóticos

  1. Estado Gama – nível de consciência que pode expressar um estado patológico de máxima tensão, excitação stress e ansiedade.

  2. Estado Beta – nível de consciência comum ao estado de vigília. Grande parte deste nível está envolvido com o funcionamento físico do organismo e só uma pequena percentagem estará disponível para os processos conscientes do pensamento.

  3. Estado Alfa – nível do subconsciente que envolve uma maior concentração.

  4. Estado Theta – nível do inconsciente que acontece no sono leve e potência a capacidade memorística, a aparição de imagens hipnagógicas, a rememorização de acontecimentos passados, a genialidade e a atividade criativa.

  5. Estado Delta – nível do inconsciente que acontece no sono profundo.


 * Estado modificado de consciência – é um estado elevado de focalização e intensificação da atenção, caracterizado por uma alta atividade psíquica, onde diferentes pensamentos podem ser articulados a partir da realidade do momento.

       ** Indução – palavra proveniente do campo do magnetismo e da hipnose, sugere que se guie uma pessoa a entrar num estado modificado de consciência.